17 maio 2010

7 passos para destruir Florianópolis

** UPDATE **
II Guerra do Contestado (em 20/05/2010)

Há 5 anos, em 2005, quando saí de Florianópolis meses antes da segunda Revolta da Catraca, já tinha certeza que a cidade estava caminhando para problemas sérios de transporte. Conheci naquela época, o transporte coletivo de cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e ainda cidades internacionais como Roma, Barcelona e Paris. Cheguei à conclusão que para destruir uma cidade, torná-la insuportável, basta você destruir o transporte coletivo. Como eu  me arrisco a dizer: o meio de transporte é o sangue de uma cidade, transportando vida em um organismo delicado.

Florianópolis mais uma vez enfrenta reajustes de tarifas. Pesquise no Google, ou visite alguns dos sites indicados no final deste artigo. Neles você vai encontrar muito mais informação, mas resumo: é um dos menos eficazes, e o mais caro do Brasil (R$ 2,95). O que quero mostrar aqui, são os 7 passos que um prefeito, como o Dário Berger, deve seguir para destruir o transporte coletivo da cidade, e consequentemente, a cidade em sí.
  1. Ofereça um único meio de acesso à cidade que fica numa ... ilha
    Sim, pois barcas e pontes em outros extremos são eficientes, e isto com certeza facilitaria a vida do povo. O Rio que nem ilha é, decidiu colocar uma pequena ponte ligando-se a Niterói, e um serviço de barcas. Total falta de bom senso dos governantes.

  2. Não invista em transportes sobre trilhos, eles não são poluentes
    Para destruir uma cidade, é importante não abraçar causas ambientais. Transportes sobre trilhos, como trêns, metrôs e bondes não emitem poluentes. Melhor manter estas tecnologias longe dos planos de desenvolvimento da cidade! Nova York cometeu uma loucura ao proibir inclusive, carros em Manhattan. O ar está melhorando. Absurdo!
  3. Dificulte o uso de bicicletas na sua cidade
    Afinal, bicicletas não ocupam espaço, não emitem poluentes, não causam engarrafamento e são baratíssimas. Compartilhar bicicletas na cidade nem pensar. Isso com certeza iria diminuir o número de automóveis no Centro, indo totalmente contra os planos do prefeito.
  4. Evite sistemas eficazes de integração de ônibus
    Prefeito bom, tem que parecer inteligente. E tudo que é inteligente, é complicado. Então ele deve complicar. O sistema de transporte público deve ser confuso, sem integração em algumas áreas, favorecendo cobrança adicional de tarifas, ou preços diferenciados. Deve irritar o passageiro, deixá-lo transtornado e depressivo, por saber que no dia seguinte terá que entrar nesse sistema novamente, até o fim da sua vida.
  5. Dificulte (e cobre mais caro) o pagamento para usuários desavisados
    Cobre uma multa dos usuários que não buscaram informação para obter o cartão-cidadão. Cobre uma multa dos turistas por não terem tempo hábil para conhecer o sistema complicado e a cobrança diferenciada. Cobre inclusive, mais caro na primeira vez que um novo usuário quiser comprar o cartão-cidadão. Afinal para obter o cartão ele deve se dirigir até o Terminal Central. 
  6. Mantenha um quadro de horários pobre de ônibus e itinerários
    O passageiro deve ter que esperar dezenas de minutos, por um ônibus cheio. Deve se irritar com a pequena quantidade de ônibus trafegando na hora em que ele mais precisar. Os motoristas devem ser treinados para passarem batidos em alguns pontos-de-ônibus.

  7. Por fim, aumentar a tarifa anualmente, com taxas superiores à inflação
    O passageiro deve entender que é ele quem pagará por todo o sistema. Então se a inflação subir, o passageiro deverá cubrir o aumento de salário dos motoristas e cobradores, e o gap no lucro das empresas de ônibus, afinal "alguem tem que pagar a conta".
Seguindo estes passos, a consequência é simples: caos. O prefeito deve então ficar feliz, por ter alcançado seu objetivo.

Trânsito fica mais caótico para todos
Comentei no Twitter que um negócio que será em breve rentável em Floripa, é o transporte ilegal. Vans, moto-táxis, caroneiros e lotações em geral. No Brasil já temos inúmeros exemplos. Podemos facilmente entender porque ele [transporte ilegal] nasce, e o que isso ocasiona.

Transporte ilegal significa mais carros nas ruas, para suprir a necessidade do povo: transporte coletivo eficiente a um preço justo. Entenda eficiente como "traçando uma rota que agrada mais, e mais horários". Aqui no Rio as vans custam em grande maioria, R$ 2,00. E veja que as passagens de ônibus custam em grande maioria, R$ 2,35. O motivo de se usar a van, é para chegar mais rápido e economizar um dinheiro que para muita gente, é muita grana. No mês, pode chegar a R$ 21,00. O que dá para comprar leite para uma semana.

Com transporte legalizado ineficiente, as vans vão nascer e crescer rapidamente. E os ônibus ficarão ainda mais caros, pois afinal, passageiros irão migrar e o faturamento diminuir. Com poucos passageiros, "alguem precisa pagar a conta", e serão aqueles que invariavelmente precisam do transporte mas não podem, ou não querem, migrar para as vans. 

Mais vans: mais trânsito. Se você usa carro e acha que não será afetado, se iludiu. Você deveria também estar batalhando contra os reajustes abusivos.

Florianópolis terá tarifa de R$ 4,50 em 2012
Essa é a minha aposta. Por quê? Vans, poucos passageiros, mais carros. Menos ônibus e serviço mais caro. 
A cidade está à caminho da destruição. E somente você, cidadão, tem o poder de impedir.

Pule você também!

Postar um comentário
Contato

Email:bruno.borges(at)gmail.com

LinkedIn: www.linkedin.com/in/brunocborges
Twitter: www.twitter.com/brunoborges
Comprei e Não Vou
Rio de Janeiro, RJ Brasil
Oracle
São Paulo, SP Brasil